Quarta-feira, 25 de Fevereiro de 2009

A Máscara

Tinha um segredo no rosto, uma sombra convertida numa máscara constante. Não o sabiam, mas a sua memória parecia apresentar-se ao mundo como o espectro de um arlequim, uma sombra colorida em todos os tons de azul, mas secretamente negra como a mais obscura noite.

Fingia um sorriso em cada traço, um pensamento dentro de cada emoção. E sonhava, secretamente, ainda que apenas com a libertação do deserto, o eterno adeus de quem não sente sequer a própria vida.

Quem poderia dizer, afinal, que ela era imortal e que, por detrás da máscara da sua juventude, se escondia o cansaço de uma alma demasiado velha para se perder no cárcere de um corpo com uma ainda longa vida pela frente? Quem poderia ver as sombras por detrás da sua luz?

E então sentiu-o, como um toque ao de leve, roçando o seu corpo através dos mantos do disfarce. E viu o mesmo sorriso, tão luminoso e aberto, mas tão falso na verdade. Viu as cores da sua sombra, reflexos de uma máscara tão estranha como a sua.

Num suave silêncio, estendeu-lhe a mão, num gesto aparentemente cordial. E ao encontrar o calor da sua pele, compreendeu o verdadeiro significado daquele leve movimento, apenas mais um gesto, mas desprovido de ilusões e subterfúgios.

- Vens comigo? – perguntou, num sussurro quase sem voz.

Nesse momento, todas as máscaras caíram.

 

sinto-me: Invisível
música: Delain - See Me In Shadow
publicado por Carla Ribeiro às 19:47
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 15 de Fevereiro de 2009

Turbilhão

Era apenas um gesto, um vago sorriso traçado nos lábios de uma palavra marcada. E, ainda assim, ela sabia que, atrás daquele silêncio sereno, tão tranquilo e racional, havia a soturna sombra de quem vive um ambiente que não tem pés nem cabeça, apenas caos emocional.

Tão calmo o seu rosto, e, contudo, as mãos crispadas diante do torso denunciavam o seu nervosismo. Pela primeira vez na vida, dependia dela para prosseguir, mas nem assim se dispunha a admitir as suas fraquezas. Eram parte de si aqueles medos, como um destino de que não podia abdicar, nem no limite da ruína.

Silenciosamente, ela sorriu, avançando lentamente na sua direcção. Sentia o tremor das suas emoções, o turbilhão amordaçado sob aquela máscara de serenidade. Estendeu os braços para ele, como num sonho inefável, e conteve-o dentro de si, como um silêncio maternal.

- Não tenhas medo. – sussurrou – Eu estou aqui.

E, incrivelmente, o silêncio deixou de fazer sentido, e, na ilógica libertação dos corações moribundos, ele deixou cair o véu que o estrangulava e, apagando o sorriso do seu rosto atormentado, soltou no abraço dela as suas lágrimas.

 

sinto-me: Enigmática
música: Stream of Passion - Nostalgia
publicado por Carla Ribeiro às 21:48
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Ele

. Uma Rua Só Minha

. Um Sonho de Passagem

. "Taste" em palavras

. Outro convite

. Convite: Apresentação do ...

. À Procura de um Herói

. Mais Longe que o Longe

. E Morreram Felizes para S...

. Naquele Tempo...

.arquivos

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Junho 2008

.tags

. todas as tags

.Fábrica de Histórias

blogs SAPO

.subscrever feeds