Segunda-feira, 26 de Janeiro de 2009

Um Rosto Apenas

Tinha nos olhos a mensagem do além, a ternura de um anjo que, mesmo para lá da vida, continuasse a velar os gestos do seu amor. Não passava de uma face perdida, petrificada nos cinzentos do retrato, mas, ainda assim, quase continha a imagem da mais absoluta bondade.

A casa estava vazia. Não havia já ninguém para recordar os seus passos e a pacífica alegria da aldeia cedera ante o êxodo do progresso. Ela, contudo, morta para os homens que, em tempos criara, continuava ali, fitando, da parede, os pequenos objectos que, ao longo dos anos, haviam acompanhado o caminho da sua existência.

Às vezes, pensava, com a mente que subsistia nas brumas da sua alma, como gostaria de rever o rosto dos seus filhos, de ouvir os alegres risos das crianças que nunca conhecera, de contar, nas noites de frio, as tantas histórias que só ela sabia. Mas o seu corpo fugira e ela era apenas um quadro, uma fotografia esquecida entre paredes e pó.

Olhou em redor, com a etérea inefabilidade com que os quadros olham, procurando recordações por entre as teias das aranhas que teciam entre os espaços a sua renda. Ali estava a pequena moldura onde, dos confins de uma memória, os seus filhos lhe sorriam. Mais além, os livros da criança esquecida que, em tempos, fora a sua neta, mas que crescera, partindo para longe do sonho e das recordações. Ao fundo, sobre a lareira, a jarra de cristal que as suas mãos trémulas tantas vezes haviam enfeitado com as mais belas flores do jardim.

Onde estava, agora, tudo aquilo que recordava? Que acontecera com o tempo, com a sombra da sua vida? Se fora ela quem morrera, porque estava vazio e deserto o mundo que deixara, que esperara que prosseguisse na sua magnífica floração? Porque partira, pois, tudo aquilo que lhe dera a tranquilidade necessária para virar costas ao seu futuro?

Desejou chorar, procurar no alívio das lágrimas o consolo para a sua alma ressequida, aprisionada nos fantasmas de uma casa morta. O seu rosto, contudo, não era mais que uma fotografia, um espectro renegado para o crepúsculo dos séculos, incapaz de se evadir até no breve refúgio de uma lágrima solitária. Não era ninguém, afinal, ela que fora tudo e todas as memórias que construíra naquele lugar, todos os pequenos símbolos que dispersara para perpetuar a sua memória. Não era ninguém…

Tinha nos olhos o cansaço dos vencidos, a tristeza de quem vivera em nome de uma causa maior, mas que morrera sem deixar sequer um sopro de saudade. Ainda assim, amava cada uma das memórias que semeara, como frutos de um momento, nascidos do ventre da sua alma para a acompanhar na solidão da sua eternidade.

E a noite caiu, transformando em sombras os reflexos do seu mundo, deixando que o vento tempestuoso do mundo exterior cantasse em seu nome, como no suspiro resignado de quem adormece nos braços do absoluto.

 

sinto-me: Nostálgica
música: Sagisu Shiro - Never Meant to Belong
publicado por Carla Ribeiro às 20:16
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Terça-feira, 20 de Janeiro de 2009

Escondido no Olhar

Nunca lhes poderia dizer como escondia o cântico da sua alma, que ideal revolvia o seu espírito amordaçado no fúnebre silêncio dos seus vazios interiores. Poderiam eles sequer entender a sombra que se agitava nos confins do seu olhar, a solidão que gritava nos abismos da sua voz?

O seu sorriso era apenas um pálido espectro no crepúsculo do seu sentir. Diante do mundo, os seus olhos escondiam as lágrimas, o suave e efémero canto da sua própria rejeição. Porque eles jamais haviam sentido o desgosto que transbordava da sua alma, as trevas que, em segredo, lhe estrangulavam o coração, a noite de quem, um dia, amara, para definhar nas brumas do abandono.

“Eu estou aqui…”. Em silêncio, a sua mente debate-se contra as correntes do silêncio. Deseja gritar ao mundo o nome dos seus fantasmas, libertar-se dos segredos que o seu corpo aprisionou. Mas as marcas continuam cravadas no seu peito e os espinhos do cilício parecem rasgar-lhe a alma, calando-lhe a vontade e apagando de si as esperanças do seu sentido.

Nunca lhes poderia dizer, não… Aquele segredo era só seu… E as sombras do seu passado estão destinadas a permanecer vivas em si… sempre… até que o seu fogo se apague.

 

sinto-me: Pensativa
música: 30 Seconds to Mars - A Beautiful Lie
publicado por Carla Ribeiro às 20:17
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Quarta-feira, 7 de Janeiro de 2009

Labirinto

O meu coração bate desenfreadamente, dominado por uma tenebrosa confusão de sentimentos cruéis. A minha mente é um labirinto de angústia e dor, onde cada caminho é uma sucessão de dias sem sentido que conduzem a um beco sem saída. A minha prisão é um confuso emaranhado de pensamentos e emoções que levam a lado nenhum. Quero sair, mas como?

Perco-me entre as sombras de uma vida sem sentido, onde cada acontecimento provoca mais dor e me afasta, cada vez mais, da liberdade. Procuro, entre os caminhos da tristeza, da dúvida e da desilusão, o ténue brilho que anuncia a saída, a paz, a liberdade. Vagueio desesperadamente, sem saber para onde vou, neste assustador labirinto onde mil espectros do passado me assombram.

Ando, constantemente, com medo de, se parar, não me conseguir voltar a erguer. Faltam-me as forças e o ânimo falha, mas continuo a arrastar-me, em busca da saída. Estou a cada passo mais perto da loucura, mas não consigo desistir, mesmo quando tudo em volta se torna difuso e indefinido.

Subitamente, a força desaparece e, inútil na minha debilidade, deixo o meu corpo cair no chão frio. E é então que, enquanto os últimos fragmentos da minha vontade se desvanecem, compreendo que a minha busca foi em vão.

Porque não existe saída... E o meu lugar é aqui.

 

sinto-me: contemplativa
música: Annie Lennox - Swansong for a vampire
publicado por Carla Ribeiro às 19:40
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Ele

. Uma Rua Só Minha

. Um Sonho de Passagem

. "Taste" em palavras

. Outro convite

. Convite: Apresentação do ...

. À Procura de um Herói

. Mais Longe que o Longe

. E Morreram Felizes para S...

. Naquele Tempo...

.arquivos

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Junho 2008

.tags

. todas as tags

.Fábrica de Histórias

blogs SAPO

.subscrever feeds